quarta-feira, 28 de Outubro de 2009

Treino de Guarda-Redes de andebol nas Várias Escolas Internacionais

Universidade do Porto
Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física








Treino de Guarda-Redes de andebol
nas Várias Escolas Internacionais
Pesquisa Bibliográfica










Mestre António Cunha
Lic.Carla Pinto
Setembro 2002



ÍNDICE

1 – INTRODUÇÃO...............................................................................................3
2 – DESENVOLVIMENTO...................................................................................5
3 – PESQUISA BIBLIOGRÁFICA .......................................................................9
4 – ANEXOS......................................................................................................16




















1 -INTRODUÇÃO

É cada vez mais importante no jogo de Handebol o Goleiro , quer nos resultados atingidos quer nas múltiplas tarefas que o mesmo exerce durante o jogo face ao exposto resolvemos fazer uma investigação às varias escolas de handebol internacional para caracterizar e justificar a técnica de baliza utilizada pelos melhores Goleiros de Handebol e que passamos a enumerar:
É considerado o jogador mais importante, sendo-lhe atribuído 50% da responsabilidade de um jogo.
Um Goleiro médio tem um peso na equipa de 40%, um bom tem 65% e um muito bom tem 80% (Salgado,1995).
É frequente assistirmos a jogos em que o Goleiro é o elemento desequilibrador e muitas vezes o resultado final depende do rendimento por ele atingido (Pereira, 1997), principalmente quando nos referimos a jogos de alto nível.
O seu papel é decisivo para o sucesso e prestação colectiva da sua equipa, através das prestações individuais consegue influenciar os seus colegas e toda a organização ofensiva do adversário (quando um Goleiro faz um bom jogo, o resto da equipa está mais confiante, a entrega no jogo é maior desmoralizando o adversário, ao ponto de comprometer toda a sua organização ofensiva. Mas o contrário também acontece, ele pode ser o responsável pela desmotivarão dos seus colegas e pela crescente confiança do adversário).
Apesar do andebol ser uma modalidade colectiva, onde a cooperação é bastante importante, o Goleiro na maioria das suas acções é um jogador solitário, os seus erros são punidos com um golo, enquanto os dos colegas são possíveis de serem corrigidos por este .
É o jogador mais observado pelos espectadores, é nele que recaem as culpas dos golos e nem sempre lhe é dado o mérito das grandes defesas. Muitas vezes, são as sua intervenções que contribuem para a espectaculosidade de um jogo.
Num jogo, o Goleiro é considerado o primeiro atacante (é ele que decide, num curto espaço de tempo se deve acelerar ou retardar o ataque da sua equipa) e o primeiro defensor, nas situações de contra-ataque directo do adversário ou o último defensor sempre que os seus colegas cometem erros.
Mas, apesar do Goleiro ser um jogador de destaque numa equipa de andebol, não pudemos diminuir o mérito dos restantes jogadores que constituem essa mesma equipa .
Apesar de se reconhecer a importância e o papel decisivo do Goleiro de andebol numa equipa, “ sabemos que na maioria dos casos o Goleiro está privado de uma sistemática preparação “. (Pereira, 1997, pág. 15).
Os estudos sobre este assunto são escassos, quer a nível nacional, quer a nível internacional.
Em Portugal, os Goleiro têm características muito próprias, não sendo por isso possível inclui-los em nenhuma das escolas já existentes a nível internacional (escola Russa, Sueca, Balcânica e Alemã) pode-se sim retirar algumas acções que melhor se adaptem às suas características (Oliveira,1996).










2 – DESENVOLVIMENTO
Actualmente e no alto nível, já assistimos a uma crescente preocupação por parte dos treinadores em planear os treinos e os jogos tendo presente a existência do Goleiro. Contudo, ainda existe quem queira ganhar jogos sem se preocupar com a preparação deste jogador.
Esta realidade não é tão invulgar quanto parece, uma vez que, são muitos os treinadores que se esquecem do Goleiro no seu planeamento de treinos, ignorando que este jogador tem os mesmos direitos a um treino cuidadosamente planificado, como os restantes colegas de equipa.
A ausência de preocupação por parte dos treinadores na preparação dos seus Goleiro, pode ser um forte motivo para a crescente desmotivação e consequente abandono por parte destes jogadores. Pois é difícil para um Goleiro compreender a importância e a responsabilidade que lhe são atribuídas, uma vez que a sua preparação é quase sempre “deixada ao acaso”.
No treino de Goleiro o treinador pode ter como referência as diferentes escolas (vêr em anexo), mas nunca deve impedir o aparecimento e desenvolvimento do estilo individual deste jogador, uma vez que não existe uma técnica única para todos os Goleiro (Pereira, 1997).
O treino de Goleiro deve ser específico e individualizado, não quer isto dizer que não deve estar incluído o trabalho com a restante equipa, mas sim que tem de contemplar todas as exigências deste posto específico.
Não só o modelo padrão da técnica e táctica de baliza (Quadro 1) como o estilo do Goleiro, as suas qualidades somáticas, sensório-motoras e volitivas (quadro 2) têm de estar presentes no planeamento de um treino de Goleiro.










Quadro 1 – Componentes técnicas e tácticas do Goleiro de Andebol.
Componentes da técnica e táctica do Goleiro de Andebol
Técnica Defensiva Técnica Ofensiva Táctica Defensiva Táctica Ofensiva
• Posição base:
- Remates de longa, média e curta distância;
- Remates de ponta.
• Deslocamentos:
- Associados a situações, posições e intervenções.
• Situações/colocação.
• Intervenções antes do
Remate:
- Perpendicularidade;
- Exteriores;
- Localização;
- Distância. • Passe
• Remate
• Deslocamentos:
- Com e sem bola.
• Drible
• Finta • Princípios gerais:
- Conservar o equilíbrio;
- Manter a situação com a bissectriz do ângulo de remate
- Manter o contacto com o solo e não saltar;
- Utilizar as duas mãos é melhor que só uma;
- Controlar a bola em vez de a amortecer;
- Amortecer a bola em vez de a projectar;
- Desviar a bola para os lados;
- Campo visual amplo na defesa;
- Estudar o adversário;
- Não antecipar-se ao remate.
• Tarefas individuais:
- Mudanças de situações;
- Intervenções (defesas de bolas baixas, meia altura e altas):
*Contra-ataque;
*6 m;
*7 m;
*9 m;
*Pontas.
- Fintas de posição;
- Interceptar contra-ataque.
• Tarefas colectivas:
- Organização da defesa;
- Colaboração com a defesa. • Princípios gerais:
- Campo de visão amplo na reposição da bola;
- Capacidade de decisão espontânea;
- Rápida recuperação da bola.
• Tarefas individuais:
- Passes de contra-ataque curtos, médios e longos;
- Remate directo.
• Tarefas colectivas:
- Intervenções como jogador de campo.


Quadro 2– Qualidades somáticas, sensório-motoras e volitivas do Goleiro
de Andebol.
Qualidades de um Goleiro de Andebol
Somáticas Sensório-motoras Volitivas
 Altura
 Envergadura
 Peso  Velocidade de reacção
 Velocidade de antecipação
 Velocidade de execução
 Mobilidade
 Potência
 Flexibilidade
 Coordenação
 Agilidade
 Resistência específica
 Força  Coragem
 Combatividade
 Concentração
 Atenção
 Espírito de decisão
 Autoridade
 Autonomia
 Vontade
 Disciplina
 Auto-disciplina
 Responsabilidade
 Sacrifício
 Controlo de emoções


O treino de Goleiro é bastante complexo, deve ser variado e progressivo. A idade , a constituição física do atleta, bem como a carga de treino são aspectos bastante importantes a considerar.

As sessões de treino podem ser constituídas por (Pereira, 1997):
1-Trabalho individual.
2-Trabalho específico:
2.1- Mobilização específica ligada à técnica (equilíbrio, deslocamentos, flexibilidade);
2.2- Técnica (posição base, defesas, recepção da bola);
2.3- Qualidades físicas e psíquicas;
2.4- Alguns problemas particulares;
2.5- Táctica.
O treino de Goleiro que na maioria dos casos é ignorado, deve ser alvo de bastante reflexão e empenhamento por parte do treinador.
È necessário que os treinadores reflictam mais sobre o trabalho que desenvolvem com os seus Goleiro, uma vez que não é só coloca-los na baliza e mandá-los defender.
Não se pode atribuir a maior percentagem de responsabilidades ao Goleiro que não treina as suas acções de uma forma sistemática e progressiva como os seus colegas de equipa.
Se este posto específico é o suporte de uma equipa, não pode ser tratado com leviandade.
Treinar uma equipa de Andebol, implica treinar os Goleiro.





















3 -PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

Arslanagic, A. (1988) O Treino do Guarda –Redes. Revista 7 Metros, nº 27, p. 9-19.
Barcenas, D. (1976) Tecnica: Texto Oficial De La Escuela Nacional De Preparadores. Barcelona: Federation Española de Balonmano.
Barcenas, D., Roman, J. (1991) Balonmano: Técnica Y Metodologia. Madrid: gymnos Editorial.
Barda, J. (1992) Torwarttechniken Im Vergleich. Handball training, nº 2.
Basic, M (1992) Une Seánce D´ entrainment pour Gardiens de But. Euro-hand, p. 90-93.
Bayer, C (1987) Técnica del Balonmano: La Formation del Jugador. Barcelona: Editorial Hispano Europeia.
Bayer, C. (1983) Hand ball: La Formation du Joueurs. Paris: Editions Vigot.
Brenda, M. (1981) Le Gardien de But au Handball. Montreal Canada: Federation Québécoise de Handball.
Carvalho, M. (1991) Competências Psicológicas e Sucesso desportivo: Estudo Com Atletas de andebol. Monografia de Licenciatura da Faculdade de Ciências do desporto e de Educação física da Universidade do Porto.
Castelo, J. e Col. (1996) Metodologia do Treino Desportivo. Lisboa: Faculdade de Motricidade Humana.
Chermanescu, K. (1988) Traité de L´ecole International de Handeball de Fribourg. E.I.H.F. Allemagne.
Colchen, J. (1989) Le Gardien de But. EPS, n º 218. Paris: F.F.N.
Comité Olímpico español (1991) Balonmano. Espanha: Comité Olímpico español.
Constantini, D. (1994) Le gardien de but. Approches du Handball F.F.H.B., nº 24, p. 29-31.
Cruz, J. (1996) Manual de psicologia do Desporto. S.H.O. Braga.
Cruz, J. (1996) Stress, Ansiedade e Rendimento na competição Desportiva. Centro de Estudos em Educação e Psicologia do instituto de Educação e psicologia. Braga: Universidade do Minho.
Curelli, J. (1992) La Formation de la Gardienne de But. Approches du Handball F.F.H.B., nº 10, p. 36-55.
Curelli, J., Duport, D., Bourgais, P., François, B., Privat, F. (1992) La formation de la gardienne de but. Approches du Handball F.F.H.B., nº 10, p. 36-56.
Czerwinski, J. (1980) Hand Ball. Paris: I.N.S.E.P. publications.
Czerwinski,J. (1982) Treino do Guarda-Redes no Período Preparatório: Parte I. Revista 7 metros, nº 2, p. 27-29.
Czerwinski,J. (1982) Treino do Guarda-Redes no Período Preparatório: Parte Ii. Revista 7 metros, nº 3, p. 11-13.
Czerwinski,J. (1993) El Balonmano: Técnica, Táctica Y Entrenamiento. Barcelona: Editorial Paidotribo, S.A.
Denis, C. (1977) Ètude Bioner Getique D´un Sport Collectif: Le Hand-Ball. Lyon: Université Claude- Bernard.
Donner, A. (1995) Alguns Aspectos Teóricos/Práticos Determinantes no Êxito do Treinador de Andebol. Revista de andebol, nº5/6.
Ehret, A., Johansson, B., Zovko, Z., Constantini, D. (1995) Le Mondial Masculin 1995: Analyse de Jeu Par Les Meilleurs Entraîneurs. Approches du Handball F.F.H.B., nº27, p.7-15.
Falkowski, M., Ernesto, E. (1979) Estudio Monográfico del Portero: Aspectos técnicos e Metodologia Linear. Colleccion “Handball”. Livraria Deportiva Esletau Sanz Martinz.
Falkowski, M., Ernesto, E. (sem data) Terminologia Teórico-Práctica de Balonmano.Colleccion “Handball” - Vademecum. Editorial Esteban Sanz Martinz.
Faludi, M. (1987) A Aprendizagem Perceptiva e as Possibilidades do desenvolvimento das Capacidades de Antecipação no Processo de Treino do Guarda-Redes. Revista 7 metros, nº 22, p. 29-32.
Ferrarese, F (1976) El Balonmano. Barcelona: Editorial de Vecchi, S.A.
Florência, M. (1998) O guarda-redes de andebol. Vila Real: Departamento de Educação Física e Desporto da Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro.
Freitas, M. (1997) Modelo de Estrutura no Andebol: Componentes técnicas e Tácticas defensivas e/ou ofensivas do Guarda-Redes. Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Metodologia I -Andebol da Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação física da Universidade do Porto.
Gabinete de Andebol (sem data) Escola de Andebol de Macolin: Manual do Treinados de Jovens. Porto: Faculdade do desporto e de Educação Física da Universidade do Porto.
Garcia, A. (1994) Balonmano: Metodologia Y Alto Rendimento. Barcelona: Editorial Paidotribo, S.A.
Godard, M (1990) L´ entrainement du Gardien de But. Approches du Handball F.F.H.B., nº 3, p. 11-13.
Hellgren, C. (1992) Une Séance D´entrainement pour Gardiens de But: La Téchinique Sidewise. Euro-Hand, p. 81-89.
Hellgren, C., Thiel, A. (1986) The greatest Keepers (3). World handball Magazine I.H.F., vol. 3, nº 4/5.
I.H.F. (1997) 97 Men´s World Handball Championship Kumamoto Japan.
Karabatic, B. (1996) La Gardiense de But: Proposition de Démarche. Approches du Handball F.F.H.B., nº 36, p. 33-38.
Koch, R. (1987) O Treino de Guarda-Redes. Revista se7e metros, nº 25, p. 8-15.
Kreisel, W. (1989) Evolution du Handball Pendant les Années 80 et Résultats des Jeux Olimpiques de 1988. Euro-Hand, pp1-15.
Lacerda, A., Oliveira, F., gouveia, M. (1979) O guarda-redes. Revista setemetros, nº1, p. 33-41.
Latiskevits, A. (1991) Balonmano: Parte I- Fundamentos. Barcelona: Editorial Paidotribo, S.A.
Mariot, J. (1995) Balonmano: De la Escuela... a las Associaciones Deportivas. Lérida: Editorial Deportiva Agonos.
Marques, J. (1997) A importância do Guarda-Redes de Andebol e Tendências Futuras do Jogo de Andebol. Monografia de Licenciatura da Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro.
Mircea, C. (1989) Treino de Guarda-redes: Exercícios com Elásticos. Revista Setemetros, nº 34/35, p. 143-145.
Misic, S., Brenda,M. (1978) Le Gardien de But au Handeball. Quebeque:Federation Québécoise de Handeball Olympique Inc.
NN (1994) O Treino de Guarda-Redes. Revista 7 metros, nº 3, p. 13-15.
NN (1997) La Gardienne de But. Approches du Handball F.F.H.B., nº 37, p. 35-41.
NN (1997) La Gardienne de but: proposition de demarche. Approches du Handball F.F.H.B., nº 37, p. 35-41.
NN, (1993) Notas Metodológico-Pedagógicas Relativas ao treino de Guarda-Redes, do Contra-ataque e da Técnica e táctica individual Ofensiva. Leiria: Federação Portuguesa de andebol.
Oliveira, A. (1996) O Guarda-Redes de Andebol : Um estudo exploratório das suas características e eficiência nos remates de 1ª linha e de ponta. Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau de Mestre em ciências do Desporto, na área de especialização de treino de alto rendimento na Faculdade de Ciências do desporto e de Educação física da Universidade do Porto.
Paccoud, B. (1989) Handball: L´Entrainemente du Gardien de But. E.P.S.-Education physique et sport, nº 215, p. 70-72.
Paccoud, P. (1990) L´Entrainemente du Gardien de But: Parades de Tirs de Prés. E.P.S.-Education physique et sport, nº 221, p. 39-7242.
Pereira, C. (1997) A importância do Treino Específico para o Guarda-Redes de Andebol. Monografia de Licenciatura da Faculdade de Ciências do desporto e de Educação física da Universidade do Porto.
Pereira, C., Pinto, C. (sem data) Guarda-Redes. Gabinete de Andebol da Faculdade de Ciências do desporto e de Educação física da Universidade do Porto.
Pereira, O. (1996) Observação e estatística do Guarda-Redes. Gabinete de Andebol da Faculdade de Ciências do desporto e de Educação física da Universidade do Porto.
Perez , F., Thiebaut, J. (1993) Entrainemente individuel du gardien de but. Approches du Handball F.F.H.B., nº 15, p. 15-18.
Perez , F., Thiebaut, J. (1993) Preparation physique du gardien de but. Approches du Handball F.F.H.B., nº 16, p. 9-10.
Perez, F., Thiebaut, J. ( 1994) Entrainemente specifique exercices a deux gardiens. Approches du Handball F.F.H.B., nº 20, p. 34-38.
Perez, F., Thiebaut, J. (1994) Entrainemente du gardien de but…exercices avec les joueurs de champ. Approches du Handball F.F.H.B., nº 22, p. 15-18.
Petitgirard, G., Bana, P. (1997) le jeu du gardien de but. Approches du Handball F.F.H.B., nº 39, p. 23-26.
Petschelis, B., Schmiedt, W. (1978) Hand-Ball: La preparation du gardien de but. Approches du Handball F.F.H.B., nº 150, p. 20-24.
Pinto, C. (1994) Guarda-redes: Treino. Tradução do Handball Magazine. Porto: Faculdade de Ciências do desporto e de Educação física da Universidade do Porto.
Portes, M. (1996) le gardien de But. Approches du Handball F.F.H.B., nº 34, p. 34-36.
Revista 7 metros (1993), nº7.
Revista 7 metros (1996), nº 20.
Riviere, D. (1989) Les Conseiles d´un Entraîneur à ses Joueurs. Paris: Editions Vigot.
Rodrigues, A., Cepa, D., Costa, J. (1995) Guarda-Redes: Técnica. Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Metodologia I - Andebol da da Faculdade de Ciências do desporto e de Educação física da Universidade do Porto.
Salgado, José (1995) Caracterização Da escola De Guarda-Redes Do Académico Basquete Clube de Braga. Monografia de Licenciatura da Faculdade de Ciências do desporto e de Educação física da Universidade do Porto.
Santos, F. (1993) Documento Teórico: Diálogo com o C.P.N. (Andebol).
Saurina, T., Tahir, M., Alves, C., Ballaguer, L. (1995) Exercices pour gardien de but. Approches du Handball F.F.H.B., nº 28, p. 17-20.
Sousa, R. (1994) Estudo Monográfico do Guarda-Redes Soren Gottfredsen: atleta do Futebol Clube do Porto. Monografia de Licenciatura da Faculdade de Ciências do desporto e de Educação física da Universidade do Porto.
Spate, D (1993) L´entrainement du Gardien de But. World Handball Magazine IHF, nº 2, p. 35-42.
Spate, D (1994) L´entrainement du Gardien de But. World Handball Magazine IHF, nº 1, p. 41-48.
Thiel, A., Hecher, S. (1989) Von der Grundtechnik big Zur perfection im Handballton: Eim lehrbuch fur Torwarte und ihre trainer. Munster: Philippka-Verlag.
Thiel, A., Hecher, S. (1993) Handball: Le Gardien de But. Collections Sport + Imitiation, nº167, p. ill. Paris: Editios Vigot.
Trosse, H. (sem data) Balonmano: Entrenamiento, Técnica y Táctica. Ediciones Martinez Roca, S.A.
Verdon, D. (1992) La formation du jeune gardien de but. Approches du Handball F.F.H.B., nº 12, p. 21-27.
Vídeo Bie gler, M.Stutzpunkttraining
Vídeo Escola de Treinadores franceses: 1ª Parte.
Vídeo Thiel, A. treino de Guarda-Redes. Thiel, A.
Zeier, U. ( 1983) Planeamento de Treinos do Guarda-redes: O que é? Como se faz? Revista 7 Metros, nº 7, p. 19-24.
Zeier, U. (1985) O problema do medo no guarda-redes de Andebol. Revista 7 metros, nº 16, p. 6-9.
Zeier, U. (1986) 12 Noções Básicas Para o Treino de guarda-Redes. Revista 7 metros, nº 20, p. 23-28.
Zeier, U. (1987) As Exigências mínimas para a técnica do guarda-Redes. Revista 7 metros, nº 24, p. 29-33.
Zeier, U. (1987) O Guarda-redes de andebol. In: Cadernos Setemetros, nº 3.














4 - ANEXOS

ESCOLAS INTERNACIONAIS DE GOLEIROS
Escolas de Goleiros Características





Russa • Posição base relativamente estreita e estável. Braços arqueados e as mãos à altura dos ombros ou em frente ao peito;
• Defesa a bolas altas – Uma mão e a impulsão é feita com a perna do lado contrário ao da bola;
• Defesas a média e a baixa altura – Apartir de uma posição fixa e raramente “caem”;
• Remates da zona frontal ( 6 m) – Perna fixa;
• Remates das pontas – Perna fixa. Se o ângulo for reduzido encostam-se ao poste ou dão um passo frente;
• Valorização da disciplina e rigorosa distribuição das tarefas com a defesa;
• Bom jogo posicional e trabalho conjunto com a defesa;
• Pouca flexibilidade na solução de situações não normalizadas.





Balcânica
(jogadores jugoslavos, romenos, húngaros e alguns espanhois) • Posição base – Semelhante à escola russa, defesa em equilíbrio, raramente caem ou perdem o contacto com o solo. Mãos colocadas ao lado da cara ou em frente ao peito;
• Defesa a bolas altas – Impulsão com a perna do lado contrário à bola. Por vezes utilizam a perna do lado da bola para ajudar;
• Defesa a bolas a meia e baixa altura – Salto para a frente e na diagonal, braços e pernas abertos e baixam o centro de gravidade;
• Remates da segunda linha – Bastante activos, utilizam a defesa em “leque”;
• Colaboração com a defesa não é rígida.




Escolas de Goleiro Características







Alemã • Posição base - Mais alargada, colocação das mãos varia entre a altura dos ombros e das ancas;
• Defesas a bolas altas – Com uma ou duas mãos, impulsão com a perna do lado contrário à bola. Utilização da perna do lado da bola em situações “urgentes”;
• Defesa a meia e baixa altura – Salto para a frente, braços e pernas abertas, raramente vão ao chão, por vezes utilizam as mãos para blocar a bola;
• Remates da segunda linha – Utilizam a defesa em “leque” ou defendem com uma perna;
• Remates de ponta – Com ângulos reduzidos, sob pressão do defensor, utilizam o factor surpresa, saem e utilizam o corpo para cobrir o ângulo;
• Remates de curta distância – Tentam dirigi-lo para determinado local.
• Colaboração com a defesa, distribuição de tarefas;
• Os mais experientes variam as suas acções em função do adversário.





Sueca • Posição base - Pouco estável, movimentações constantes com os braços colocados lateralmente;
• Defesas em desiquilíbrio não evitando a queda;
• Remates de 1ª linha -Deslocamento do corpo para o lado da bola, seguida de queda para o mesmo lado;
• Remates de 2ª linha - Aproxima-se do rematador para reduzir o ângulo, defende lateralmente;
• Remates de ponta - Atitude bastante agressiva, avançando para o rematador tentando ludribiar-lo;
• Grande flexibilidade e agilidade, ocupam bem os espaços com movimentos amplos dos braços e do resto do corpo, seguido de queda e recuperação rápida do equilíbrio.